A notação musical e a relação consciente com a música: elementos para refletir sobre a importância da notação como conteúdo escolar

Thiago Xavier de Abreu, Newton Duarte

Resumo


O presente trabalho analisa o papel da notação como um conteúdo escolar da educação musical. Nosso objetivo é demonstrar que o aprendizado da escrita e da leitura da música ultrapassa em muito a visão pragmática e utilitária da notação que reduz a aquisição deste conhecimento à capacidade de leitura da partitura, correspondendo a um salto qualitativo na consciência dos elementos musicais e, portanto, na relação do indivíduo com a música. Nossa abordagem parte da discussão da importância da notação para o desenvolvimento da música ocidental, observando-a como expressão objetiva do desenvolvimento da consciência do ser humano sobre a sua própria prática musical. A apropriação deste conteúdo reproduz, assim, estes traços na consciência do indivíduo, transformando sua relação com a música. Concluímos ressaltando a importância da notação para a formação musical e destacando a análise aqui apresentada como uma contribuição para a reflexão sobre a importância deste conteúdo para a educação musical.

Referências


BENT, Ian D. et alli. Notation. Grove Music Online. Oxford Music Online. Oxford University Press, 2001. Disponível em: Acessado em 10/05/2019 às 13:15.

DUARTE, Newton. A Individualidade Para-Si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. 3ª ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2013.

______. Os conteúdos escolares e a ressureição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. História da música ocidental. Lisboa: Gradiva, 1994.

LUKÁCS, György. Estética: la peculiaridad de lo estético. Cuestiones preliminares y de principio. Tradução: Manuel Sacritán. Barcelona: Grijalbo, 1966. v.1.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução: Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. Contribuição à crítica da economia política. Tradução: Florestan Fernandes. 2ª edição. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

PAYNTER, John. Music in the school curriculum: why bother?. British Journal of Music Education. v. 19, Issue 03, 215 – 226, nov. 2002.

PENNA, Maura. Ensino da música: para além das fronteiras do conservatório. In: PEREGRINO, Yara (Coord.). Da camiseta ao museu: o ensino das artes na democratização da cultura. João Pessoa: Editora Universitária. pp. 129-140, 1995.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. “Edição Comemorativa”. Campinas: Autores Associados, 2008a.

______. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10ª ed. Campinas: Autores Associados, 2008b.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Tradução: Marisa Trench de Oliveira Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

TREITLER, Leo. Reading and Singing: On the Genesis of Occidental Music-Writing. Early Music History, Vol. 4, Cambridge: Cambridge University Press, 1984, pp. 135-208.

VAN WAESBERGHE, Jos Smits. The Musical Notation of Guido of Arezzo. Musica Disciplina, vol. 5, 1951, pp. 15-53.

VYGOTSKI, Lev S. Obras escogidas. Madrid, Visor, tomo II, 1993.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.