Educação musical afrodiaspórica: uma proposta decolonial a partir dos sambas do Recôncavo Baiano

Luan Sodré de Souza

Resumo


Este texto se propõe a apresentar uma possibilidade de pensar uma educação musical  afrodiaspórica desenvolvida a partir de uma reflexão em busca de uma proposta decolonial para o  ensino acadêmico do violão inspirada nos sambas do Recôncavo Baiano. O presente trabalho apre senta de forma introdutória algumas reflexões desenvolvidas na tese Educação musical afrodiaspórica:  uma proposta decolonial para o ensino acadêmico do violão a partir dos sambas do Recôncavo Baiano (Souza, 2019). Para construir os argumentos, além de considerar os dados que emergiram das en trevistas com os interlocutores do trabalho, também considero a minha trajetória e dialogo com os  escritos de Frantz Fanon (2008), Paul Gilroy (2001), Stuart Hall (2003), Eduardo Oliveira (2007),  Muniz Sodré (2018), Joaze Bernardino-Costa, Nelson Maldonado-Torres e Ramón Grosfoguel (2018).  O principal objetivo foi o de propor caminhos para uma educação musical afrodiaspórica e, conse quentemente, para um ensino decolonial do violão na universidade, sobretudo, na formação de pro fessores de música. O desenho metodológico da pesquisa foi composto por entrevistas com mestres  ligados à transmissão dos sambas do Recôncavo e com professores da universidade que ministram o  componente violão suplementar, além de vivências e experiências articuladas ao longo da pesquisa no  entorno dessas temáticas. A pesquisa revelou reflexões epistemológico-práticas que podem contribuir  para se pensar uma educação musical afrodiaspórica e um ensino decolonial do violão.


Referências


BAUER, W. I. Music Learning Today: Digital Pedagogy for Creating, Performing, and Responding to Music. New York: Oxford University Press, 2014.

BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2018.

ESCOBAR, A. Mundos y conocimentos de otro modo: el programa de investigación de modernidade/colonialidade latino-americano. Tabula Rasa, Bogotá, n. 1, p. 51-86, 2003.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GILROY, P. O Atlântico Negro: Modernidade e dupla consciência. Trad. Cid Knipel Moreira). São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GOMES, N. L. O movimento negro educador. Petrópolis: Vozes, 2017.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (Orgs). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina. 2009. p. 383-417.

HALL, S. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. 4ªEd. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

OLIVEIRA, E. D. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Gráfica e Editora Popular, 2007.

PRANDI, Reginaldo. De africano a afro-brasileiro: etnia, identidade, religião. REVISTA USP, São Paulo, n.46, p. 52-65, junho/agosto 2000. Disponível em: . Acessado em: 18 de Fev. de 2016.

SODRÉ, M. Pensar Nagô. Petrópolis: Editora Vozes, 2018.

SOUZA, L. S. Educação musical afrodiaspórica: uma proposta decolonial para o ensino acadêmico do violão a partir dos sambas do Recôncavo baiano. 2019. 248 fl. Tese (Doutorado em Música) - Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

WILLEMS, E. As Bases Psicológicas da Educação Musical. Bienne: Edições Pro-Musica. 1970.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.